Game of Stories: O poder do Storytelling

Game of Stories: O poder do Storytelling

Sem espadas, dragões ou exércitos, o novo rei foi decidido por uma boa história. E você, tem uma?

ATENÇÃO! ESSE TEXTO CONTÉM SPOILERS DO ÚLTIMO EPISÓDIO DA SEXTA TEMPORADA!

O último episódio da maior série de televisão da atualidade foi ao ar na noite de ontem, fazendo uma legião de fãs acordarem na segunda-feira com sentimentos controversos.  Não é nenhuma novidade dizer que a equipe envolvida na produção da série (seja à frente ou atrás das câmeras) é brilhante, mas diversos fãs já vinham apontando uma queda na qualidade dos roteiros das últimas duas temporadas, que culminaram num final morno.

Mas, decepções à parte, um dos momentos mais marcantes do episódio final acontece quando Tyrion Lannister, o anão mais inteligente dos sete reinos, usa sua argumentação para induzir os Lordes de Westeros a coroar um novo rei no meio do seu próprio julgamento, as palavras usadas por ele foram as seguintes:

“O que une as pessoas? Exércitos? Ouro? Bandeiras? Não. Histórias. Não há nada no mundo mais poderoso do que uma boa história. Nada pode pará-la e nenhum inimigo pode derrotá-la.”

Tyrion Lannister, Ep. 06 – Season 08

No momento em que isso foi dito, a relação com o Storytelling me saltou aos olhos, afinal, o que é o Storytelling senão a arte de criar histórias capazes de provocar, inspirar e encantar a quem ouve?

A história de Bran, o quebrado foi capaz de encantar os Altos Lordes que o coroaram Rei dos Sete Reinos, Primeiro de seu nome, Rei dos ândalos e todo o resto que a gente já ouviu durante 8 temporadas, mas ainda não conseguiu memorizar.  

Entretanto, essa não foi a primeira vez em que a trama de Game of Thrones nos ensinou lições valiosas sobre comunicação e a liderança por meio dela! Há algumas semanas estive junto à Liga Universitária de Empreendedorismo, em um dos seus eventos mais populares, o Alavanque. Lá tive a oportunidade de dividir algumas dicas para construção de uma boa apresentação, e como o evento estava imerso no universo de Game Of Thrones, nada mais justo que procurar entre os próprios personagens as características essesnciais para uma boa apresentação. Trouxe a seguir alguns trechos dessa apresentação!

Lorde Varys e o poder da informação

Fonte: Reprodução/HBO

Vindo de uma família sem prestígio, Lorde Varys conquista um lugar entre os poderosos com uma arma que hoje está na ponta dos nossos dedos: informação.

Varys tinha seus “Passarinhos” espalhados pelos sete reinos, e numa época em que não havia facilidade na comunicação, saber das coisas com antecedência era uma super vantagem frente os inimigos.

Por isso, minha sugestão é que sua apresentação tenha informação, e que ela seja relevante para quem assiste.

Tyrion e a utilidade


Fonte: Reprodução/HBO

Tyrion já usou sua lábia pra se livrar de situações de morte várias vezes, e sua oratória se baseia no interesse dos interlocutores. Se você observar com cuidado, sempre que ele precisa negociar com alguém, está focado em descobrir uma coisa: o que você quer?

Ele faz isso seja perguntando explicitamente ou com jogos de palavras inteligentes, eticamente questionáveis em alguns momentos. Ao descobrir como ser útil ele ganha poder sobre os interlocutores e acaba escapando de diversas enrascadas dessa forma.

Daenerys e a empatia


Fonte: Reprodução/HBO

Daenerys tem um poder de convencimento fenomenal, que é responsável pela sua incrível trajetória como personagem, de vendida como escrava a líder do maior e mais poderoso exército dos sete reinos.

Ela conquistou a fidelidade dos Dothraki, um povo que antes a desprezava, e se tornou líder do exército dos Imaculados, com uma arma que está em falta no mundo dos negócios: a compaixão.

Grandes líderes convencem ao mostrar aos liderados caminhos para conquistarem os seus objetivos! E no discurso de Daenerys, chegar ao trono de ferro estava diretamente relacionado a coisas que faziam parte dos desejos dos seus súditos, como por exemplo a liberdade.

É mostrando compaixão por eles que ela conquista a lealdade de pessoas que agora estão dispostas a dar a vida para vê-la chegando ao trono de ferro. Ter empatia é tão importante, que a perda dessa característica levou ao fim trágico da personagem. (Que pra mim sempre foi e será a Rainha dos Sete Reinos!)

Agora chega ao fim uma das maiores produções de todos os tempos, que se sustentou durante mais de dez anos por suas histórias surpreendentes, com constantes mudanças de direção e por personagens que conseguiam inspirar emoções reais nos telespectadores. Mesmo com o final controverso, não podemos negar, Game of Thrones tem um daqueles exemplos de histórias que não podem ser apagadas, e que agora servirão como inspiração para criar as nossas próprias.